A Alimentação Viva ou Crudivorismo

Todas as filosofias e dietas alimentares são de grande importância para os seres humanos. Porém nem todos os seres humanos se encaixam numa mesma dieta. E o crudivorismo não deixa de ser mais um exemplo de alimentação que agrada e faz bem a uns e nem tanto aos outros.

A alimentação crua desencoraja o consumo de qualquer alimento que foi aquecido acima de 45º - 50º Celsius. Pois quando esquentamos a comida acima dessa  temperatura, destruímos as enzimas dos alimentos que ajudariam na nossa digestão.  Porém, quando cozinhamos e mastigamos bem os alimentos, conseguimos quebrar melhor a parede celular dos vegetais e assim assimilar melhor os nutrientes.

A premissa básica da teoria da comida crua é que nós, seres humanos, somos a única espécie que cozinha o próprio alimento, e no seu estado natural, o alimento é composto por células vivas. Então, os adeptos do crudivorismo enxergam os alimentos cozidos ou aquecidos como mortos e sem vida.

O alimento cru é muito limpo e refrescante para o corpo, o que se torna muito bom para as pessoas que consomem muita carne e alimentos processados frequentemente. Assim como no jejum, a alimentação viva ajuda a eliminar toxinas com rapidez e eficácia. Então para as pessoas que querem emagrecer, desintoxicar ou experienciar a clareza mental, física e espiritual, é aconselhável seguir a dieta crua, por pelo menos um tempo. Comer alimentos crus também podem melhorar a digestão e aumentar a vitalidade. Além de ser uma dieta altamente sustentável e ecológica!!! Com isso, ela pode levar a uma profunda conexão espiritual com a natureza e promover o autoconhecimento. Mas um dos maiores benefícios de seguir a alimentação viva, é que consequentemente as pessoas deixam de consumir alimentos altamente processados, industrializados, gordurosos e açucarados.

Por outro lado, essa dieta não é muito adequada para as pessoas cujos organismos são mais fracos e que precisam de mais sustância na alimentação e na vida. Usando um termo de outra filosofia alimentar, a macrobiótica, as pessoas que são muito yin, ou seja, que são de natureza fria, e normalmente altas, longe líneas, magras, emotivas e avoadas, precisam de uma dieta mais quente e energizante.  E com um efeito bem refrescante no organismo, a dieta crua pode ser difícil de sustentar em lugares onde o inverno é bem rigoroso. Por isso aconselho a experimentarem a alimentação viva durantes os meses de verão, porque é quando o corpo processa melhor os alimentos no seu estado cru.


Alguns crudivoristas são muito inflexíveis na sua crença de que o alimento cozido é
impróprio para consumo humano. Alguns comem 100% cru, outros cerca de 75% cru e alguns apenas 15%. Cada dieta tem o seu valor e como acredito na cura pela alimentação, acho que a dieta crua, seguida por um período limitado para prevenir ou curar alguma alopatia é maravilhosa. E a depender do caso, encorajo as pessoas a acrescentarem alimentos crus na dieta, observando como isso lhes afeta!

Obs: Foi apenas depois da descoberta do fogo que houve um rápido aumento no tamanho do nosso cérebro. Pois assim, conseguiamos ingerir a quantidade de calorias diárias suficiente para faze-lo crescer. Mas hoje o feitiço virou contra o feiticeiro e as calorias que sobram nos engordam e nos adoecem.